Quem nunca ouviu que bissexual é bagunça, com certeza foi um ser humano privilegiado nesse mundo. Não é mesmo?!
Quando se trata da bissexualidade, o que não falta são opiniões e inúmeros preconceitos e mitos, produzidos e reproduzidos não só na sociedade como um todo como também dentro da própria comunidade LGBTQ+.
E é justamente para pensar e conversar sobre essas questões que é importante falar sobre como a bissexualidade é uma sexualidade válida e desconstruir os mitos colocados em torno dela. Então, vamos juntes, beloveds, nessa jornada?

Nem confusos, nem testando
Talvez os mitos mais espalhados no mundo com relação a bissexualidade é que indivíduos que são bissexuais são pessoas confusas ou que estão testando suas possibilidades, o que não é verdade.
É importante que pessoas bissexuais sejam levadas a sério e que sua sexualidade seja vista como válida, porque ela é. A bissexualidade não é um experimento social realizado por pessoas, é como essas pessoas sentem, todos os dias.
Pessoas que amam independente do gênero não são pessoas que estão tentando expandir suas chances e opções sexuais, mas sim que se atraem sexual e emocionalmente por mais de um gênero.
Muitas vezes a bissexualidade também é questionada ao a colocarem como uma fase que passará em algum momento, como se os bissexuais estivessem em uma época intermediária, prestes a escolher se serão heterossexuais ou homossexuais. Além da sexualidade não ser uma escolha, bissexuais continuam com sua sexualidade imutada quando estão acompanhados por pessoas do seu mesmo gênero ou de gênero diferente.

Seres inteiros
A bissexualidade não é uma fórmula mágica onde todo e qualquer ser humano que se proclama bissexual é 50% hétero e 50% homossexual.
Dois pontos muito importantes sobre esse conceito de 50/50 é que primeiro, bissexuais não são seres divididos entre ser hétero ou homossexual, sua sexualidade é a mesma independente de com quem se mantém uma relação. E segundo, o nível de atração pelo mesmo gênero ou gênero diferente, varia de pessoa para pessoa.
É possível que alguém seja bissexual e se sinta mais atraído por indivíduos do mesmo gênero, ou então que sinta um maior nível de atração por pessoas de outros gêneros.
O fato aqui é que bissexuais são indivíduos inteiros e únicos, com desejos e sentimentos também inteiros e únicos. O amor de um bissexual não chega apenas até um determinado nível por ele também poder sentir atração por um gênero diferente de seu companheiro ou companheira.

Amores válidos
Como último ponto é importante falar também sobre a veracidade do amor bissexual. Não é por que uma pessoa é bissexual que ela não pode te amar de maneira completa e inteira.
Um bissexual pode amar qualquer um dos gêneros, o que não significa que possui mais propensão a trair devido a sua sexualidade. Cada indivíduo é único e forjado pelas suas vivências e sua própria personalidade, porém, a sexualidade como um fator único não é capaz de fazer com que uma pessoa seja menos ou mais confiável ou propensa a traições.
Assim como as vivências das pessoas bissexuais são únicas, a sua também é, e é importante cuidar para que sua vivência não resulte em uma visão bifóbica e limitante.

O B não é de bagunça. Representa pessoas com sentimentos, personalidades e sexualidade válida. Bissexuais também são parte da comunidade LGBTQ+ e nossa resistência interna é importante para nos mantermos vivos na sociedade externa, então vamos juntes!

Tem alguma dica de conteúdo ou comentário sobre essa publicação, BIloved? É só deixar um comentário aqui ou entrar em contato pelas redes sociais da Parada LGBT Londrina.

Até a próxima!

Mais de Biloved!?

Quem disse que sexo entre mulheres não precisa de cuidado?

Quem disse que sexo entre mulheres não precisa de cuidado?

Já dizia a lendária Rita Lee que sexo é esporte, escolha, cinema, poesia… E é mesmo! Mas sexo também precisa ser cuidado. E não só o cuidado afetivo com a pessoa que está dividindo o momento com você - por que precisa, né?! -, mas também cuidados com a sua saúde e des...

Mais colunas

Habemus farofa – e das boas!

Habemus farofa – e das boas!

Oi, menine! Tá boa, santa? Depois de um longo e tenebroso inverno no deserto da música pop contemporânea, fomos todas, todos e todes contemplados com farofa da melhor qualidade. Em tempos de pandemia e isolamento social, Lady Gaga com o seu Chromatica reafirma o poder...

Negro? Candomblecista? Na escola NÃO.

Negro? Candomblecista? Na escola NÃO.

Nessa última semana, em diversos países pelo mundo, as pessoas se mobilizaram em protestos diante dos crimes de racismo e discriminação cometidos contra os negros, em especial no caso de George Floyd. Ele, afro-americano, morreu em 25 de maio de 2020, vítima do Estado...

Leia mais

Brasil registrou 124 assassinatos de transgêneros em 2019

Em 2019, pelo menos 124 pessoas transgênero, entre homens e mulheres transexuais, transmasculinos e travestis, foram assassinadas no Brasil, em contextos de transfobia. Os dados estão no relatório da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) divulgado no...

Giovana Silveira

Giovana Silveira

Colunista - Coluna Biloved!?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional do Coletivo Movimento Construção – Parada LGBTI+ de Londrina. 

Para sugestões de pautas a redação, envie um e-mail para [email protected]