Boy Erased nos conta a história verídica de Garrad Conley através do seu livro lançado em 2019 e do seu filme que foi censurado no Brasil. Garrad Conley passou a juventude com medos, filho de um pastor da Igreja Batista e imerso na comunidade religiosa de uma cidadezinha do Arkansas, ele enfrentou e viveu um conflito doloroso em relação à própria sexualidade. Aos dezenove anos, após ser violentado na faculdade, o seu segredo é revelado aos pais. Garrad então se vê forçado a fazer uma escolha que o marcaria para sempre: aceitar passar pela terapia de conversão da igreja para reverter a homossexualidade ou ser renegado pela família, pelos amigos e pelo Deus ao qual dedicara orações todos os dias de sua vida. Garrad é internado na instituição que o submete a um programa de doze passos baseado no estudo bíblico, do qual deve sair heterossexual, ex-gay, pronto para enfrentar o mundo armado com a sua fé. Contudo, durante essa jornada brutal, ele encontra a força, o conhecimento e a coragem necessária para ganhar a liberdade na busca por sua verdadeira identidade.

A biografia de Garrad Conley atravessa uma realidade que é vivida no contemporâneo: ainda hoje 36 estados dos EUA tem a permissão de oferecer as chamadas “terapias de conversão, terapias de reorientação sexual. ” O método da terapia da qual Garrad se submeteu é similar com o AA (Alcoólicos Anônimos) que é um sistema de cura estabelecida em 12 passos, o primeiro dos passos consiste em “reconhecer que você está errado. ” A mensagem de que os gays podem ser curados é muito antiga e também muito perigosa. A Love in Action, onde Garrad fez a sua terapia de conversão desenvolveu um modelo que tratava a cura como se fosse a superação de algum vício. Modelo extremamente traumático e prejudicial porque se baseia em informações insubstanciais e em falsa ciência. Tentar apagar uma parte da identidade de alguém que não se pode apagar, gera uma pressão para você se transformar em alguém que você não é.

As mentiras, os medos e as humilhações que acompanham esse processo podem levar ao suicídio. Garrad esperou dez anos para escrever “Boy Erased” pois sentia muita vergonha em ter passado pela experiência da terapia de conversão e ele decidiu escrever justamente para dar voz ás experiências de tantos que vivem experiências dentro de religiões e igrejas parecidas com a dele. O título “Boy Erased” significa garoto apagado. É um título que deseja nos mostrar o quanto as terapias de conversão, os discursos, as orações apresentadas como transformadoras da sexualidade são métodos que carregam o poder de apagar aquilo que você é. Ressalto aqui o quanto muitas vezes “Deus” é utilizado como uma arma contra a população LGBTQI+. Por isso eu vejo que é fundamental separarmos o que realmente vem do ser humano: pessoas que muitas vezes se colocam como juízes da vida do outro para afirmarem o que é certo ou errado, do “Deus” que você acredita se você tem alguma crença. Percebo que algumas pessoas LGBTQI+ acabam não se conectando com algo espiritual justamente por associarem esse ser superior como alguém que não os ama por aquilo que são, quando é justamente o contrário.

O amor não mora na casa do preconceito, ele prefere ser livre para amar a todos sem exceção. Se permita amar! Se permita viver a sua espiritualidade se você assim desejar: ninguém é obrigado a nada. Não se submeta as receitas que desejam apagar as belas cores que brilham em você.

 

“Não há cura para o que não é doença. Cure o seu preconceito!”

Jorge Matheus Simões

Jorge Matheus Simões

Colunista - Coluna JM

Formado em Psicologia pela Faculdade Pitágoras, faz especialização em Ensino de Sociologia pela UEL – Universidade Estadual de Londrina.  Trabalha como psicólogo clínico atendendo adultos, casais e famílias. Colunista, escritor e pesquisador em temas que envolvem a sexualidade humana e a população LGBTQI+.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional do Coletivo Movimento Construção – Parada LGBTI+ de Londrina. 

Mais de JM

Aceitação

Aceitação

Em 2011 Lady Gaga lançou uma canção chamada Born This Way onde é considerada um hino dos marginalizados. Inspirada pelas músicas de emancipação feminina e homossexual dos anos 90, Lady Gaga explica que Born This Way é a sua canção de liberdade. “Não se esconda atrás...

O amor existe e inspira – Diego & Rafael

O amor existe e inspira – Diego & Rafael

William Shakespeare disse uma certa vez: “o amor não se vê com os olhos, mas com o coração. ” De fato, o amor acontece e ele existe para todos. O amor não é destinado apenas para algumas pessoas: todo mundo tem o direito de amar e de ser feliz com quem quiser! Quem me...

Família – caldeirão de expectativas

Família – caldeirão de expectativas

Vamos abrir o nosso álbum de família, o livro da nossa história de vida e ver como tudo começou? Família é algo que não podemos escolher, a gente nasce e ela já está feita. Convido você a pensar a sua família como um caldeirão. O que é um caldeirão? É um grande tacho...

Mais colunas

Habemus farofa – e das boas!

Habemus farofa – e das boas!

Oi, menine! Tá boa, santa? Depois de um longo e tenebroso inverno no deserto da música pop contemporânea, fomos todas, todos e todes contemplados com farofa da melhor qualidade. Em tempos de pandemia e isolamento social, Lady Gaga com o seu Chromatica reafirma o poder...

Negro? Candomblecista? Na escola NÃO.

Negro? Candomblecista? Na escola NÃO.

Nessa última semana, em diversos países pelo mundo, as pessoas se mobilizaram em protestos diante dos crimes de racismo e discriminação cometidos contra os negros, em especial no caso de George Floyd. Ele, afro-americano, morreu em 25 de maio de 2020, vítima do Estado...

Leia mais

Brasil registrou 124 assassinatos de transgêneros em 2019

Em 2019, pelo menos 124 pessoas transgênero, entre homens e mulheres transexuais, transmasculinos e travestis, foram assassinadas no Brasil, em contextos de transfobia. Os dados estão no relatório da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) divulgado no...

Para sugestões de pautas a redação, envie um e-mail para [email protected]