Começo o texto de hoje pensando na letra M:
M de Março, M de mulher, M de maternidade, M de movimentos e um M de mudanças. Que possamos olhar para as mulheres todos os dias, um olhar que não se restringe a uma data simbólica. Um olhar que nos leva a diversas interrogações nos tempos atuais, afinal as discussões sobre gênero, sobre sexualidade e sobre o feminino parecem ter tomado o centro dos debates atuais. O que quer uma mulher? Essa foi uma das perguntas clássicas que Freud fez ao longo do século XX, quando várias ciências buscavam descobrir os mistérios do feminino. E a pergunta que coloco neste texto para refletirmos é a seguinte: o que queremos com as mulheres? O que temos feito com o feminino?
Desejar um feliz dia das mulheres e enviar flores a todas que se identificam como mulher no contemporâneo é superficial demais diante da realidade que nos alerta todos os dias sobre um cenário permeado de violências, medos, silêncios e tabus. Falar das mulheres, escrever sobre elas é também repensar os contornos da masculinidade contemporânea. Me parece que o valor da virilidade se liga à força e à coragem, um masculino que está aprisionado na potência e assim é possível perceber que o masculino se posiciona de uma forma violenta quando se vê banido do seu posto de virilidade. Observo que a cultura capitalista colocou o feminino como fetiche e que a cultura do estupro é capitalista. A mercadoria é “fetichizada” e dentro de um cenário feminista atual as mulheres tem voz e declaram: “eu posso dizer não, eu posso não aceitá-lo, eu posso ser a mulher que quero ser e me empoderar daquilo que eu sou.”

Clarice Lispector disse uma vez: “já que sou, o jeito é ser.”

O teu lugar mulher é onde você desejar estar e de ser o que quiser. Escolhi essa música: triste, louca ou má justamente porque ela canta essa verdade. Que receita cultural é essa que condiciona, limita e sufoca? Nada pode definir o poder de uma mulher: você é o seu próprio lar. Um órgão pode definir o que é uma mulher? Um homem pode definir a trajetória individual de uma mulher? Me parece que a submissão não é mais um lugar encontrado no universo feminino.

Que neste mês das mulheres possamos dar a elas apoio, direito, respeito e muita voz. O feminino permeia todos os seres humanos. Não coloquemos o feminino dentro de caixas deterministas que limitam o ser incrível delas: este é o momento de permitir que as cores ocultas do feminino sejam mostradas, vistas e talvez esclarecidas. Quantas cores uma mulher tem? Como limitar o universo feminino em uma única cor, se o que elas têm mostrado ao longo da história é muito mais do que uma cor?

Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. (Simone de Beauvoir)

Mais de JM

Aceitação

Aceitação

Em 2011 Lady Gaga lançou uma canção chamada Born This Way onde é considerada um hino dos marginalizados. Inspirada pelas músicas de emancipação feminina e homossexual dos anos 90, Lady Gaga explica que Born This Way é a sua canção de liberdade. “Não se esconda atrás...

O amor existe e inspira – Diego & Rafael

O amor existe e inspira – Diego & Rafael

William Shakespeare disse uma certa vez: “o amor não se vê com os olhos, mas com o coração. ” De fato, o amor acontece e ele existe para todos. O amor não é destinado apenas para algumas pessoas: todo mundo tem o direito de amar e de ser feliz com quem quiser! Quem me...

Família – caldeirão de expectativas

Família – caldeirão de expectativas

Vamos abrir o nosso álbum de família, o livro da nossa história de vida e ver como tudo começou? Família é algo que não podemos escolher, a gente nasce e ela já está feita. Convido você a pensar a sua família como um caldeirão. O que é um caldeirão? É um grande tacho...

Mais colunas

Habemus farofa – e das boas!

Habemus farofa – e das boas!

Oi, menine! Tá boa, santa? Depois de um longo e tenebroso inverno no deserto da música pop contemporânea, fomos todas, todos e todes contemplados com farofa da melhor qualidade. Em tempos de pandemia e isolamento social, Lady Gaga com o seu Chromatica reafirma o poder...

Negro? Candomblecista? Na escola NÃO.

Negro? Candomblecista? Na escola NÃO.

Nessa última semana, em diversos países pelo mundo, as pessoas se mobilizaram em protestos diante dos crimes de racismo e discriminação cometidos contra os negros, em especial no caso de George Floyd. Ele, afro-americano, morreu em 25 de maio de 2020, vítima do Estado...

LGBTs da História: Mario de Andrade

LGBTs da História: Mario de Andrade

Mário Raul Morais de Andrade, autor do romance “Macunaíma”: o poeta e prosador foi o intelectual que sedimentou as ideias revolucionárias da Semana de Arte Moderna de 1922 e contribuiu para mudar a linguagem da literatura brasileira. Poeta, escritor, crítico...

Leia mais

Brasil registrou 124 assassinatos de transgêneros em 2019

Em 2019, pelo menos 124 pessoas transgênero, entre homens e mulheres transexuais, transmasculinos e travestis, foram assassinadas no Brasil, em contextos de transfobia. Os dados estão no relatório da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) divulgado no...

Jorge Matheus Simões

Jorge Matheus Simões

Colunista - Coluna JM

Formado em Psicologia pela Faculdade Pitágoras, faz especialização em Ensino de Sociologia pela UEL – Universidade Estadual de Londrina.  Trabalha como psicólogo clínico atendendo adultos, casais e famílias. Colunista, escritor e pesquisador em temas que envolvem a sexualidade humana e a população LGBTQI+.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional do Coletivo Movimento Construção – Parada LGBTI+ de Londrina. 

Para sugestões de pautas a redação, envie um e-mail para [email protected]